As Almas Podem Esperar: Papa Francisco Recusa Visita ao Brasil.

Realmente nada mais me surpreende. Quem me conhece ou já conversou comigo a respeito do catolicismo, sabe que não sou cego para o passado e presente recente da Igreja. Mas nutro uma simpatia e um respeito cordial para com seu atual pontificado. O Papa Francisco, para mim é um homem de humildade notável. Comparado com algumas lideranças religiosas que vemos por aí, Francisco é um Santo. Mas não pelo respeito que o tenho, ou pelas suas muitas qualidades, que deixarei de criticar sua posição política como a que tomou esta semana. Venha, caro leitor e irei elucidá-lo.

 

Talvez você não saiba, mas o Brasil ainda é  o país que possui a maior população Católica do planeta. Segundo dados do Vaticano, são 172 milhões de adeptos. Segundo o Instituto Data Folha, 57% dos brasileiros declaram-se católicos(dados de 2013). Mas este número de católicos teve uma queda significativa. Enquanto isso, os que se declaram evangélicos representam um aumento de 61,5% num período de 10 anos, cerca de 22% da população brasileira atual. Evidenciando que existe uma clara migração dos membros da igreja católica e outras religiões para as evangélicas.

Papa Francisco tocou seu crucifixo durante a condução através da multidão em sua audiência geral inaugural na Praça de São Pedro, no Vaticano, quarta, 27 de março de 2013.
Papa Francisco tocou seu crucifixo durante a condução através da multidão em sua audiência geral inaugural na Praça de São Pedro, no Vaticano, quarta, 27 de março de 2013.

Esta realidade deveria interessar ao Vaticano, pois é sua instituição que está perdendo fiéis. Mas aparentemente, para sua liderança maior, o Papa Francisco, existem questões de maior prioridade.

Em comemoração dos 300 anos da primeira aparição de “Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil para os de religião católica, a  Presidência da República convidou formalmente o pontífice para participar das festividades. Mas esta semana, o Presidente Michel Temer recebeu uma carta do Papa informando que devido a questões “de agenda”, seria impossível comparecer ao país. Seria, caro leitor, possível sim engolir a história de Bergoglio, se ele não tivesse recheado a carta com um discurso político a base da demagogia.

Sei bem que a crise que o país enfrenta não é de simples solução, uma vez que tem raízes sócio-político-econômicas, e não corresponde à Igreja nem ao papa dar uma receita concreta para resolver algo tão complexo”, escreveu o Pontífice, segundo trecho publicado pelo comentarista político Gerson Camarotti, da emissora Globo News.

“Porém não posso deixar de pensar em tantas pessoas, sobretudo nos mais pobres, que muitas vezes se veem completamente abandonados e costumam ser aqueles que pagam o preço mais amargo e dilacerante de algumas soluções fáceis e superficiais para crises que vão muito além da esfera meramente financeira”, acrescentou.

Não, você não leu errado. Isso é o Papa Francisco criticando os  malefícios que uma necessária reforma da previdência e trabalhista, poderiam supostamente  causar. Já não basta o desconhecimento dele sobre a situação econômica do Brasil, Jorge Bergoglio agora engrossa o coro dos que criticam sem dar uma alternativa ao problema. Se ele acha que não lhe cabe [e de fato não cabe mesmo] dar uma solução ao Governo, não precisava nem alfinetar.

Alguém acha lindo aposentar-se alguns anos mais tarde? Óbvio que não. Ninguém em sã consciência iria comemorar algo assim. Mas antes de criticarmos, precisamos conhecer os projetos e entender o que pode ser feito. Mas o Papa, bem como alguns esquerdistas amigos seus, atacam munidos apenas do desconhecimento.

Se você não se lembra, caro leitor, Jorge Bergoglio, Argentino de nascimento e de coração, já recebeu a então Presidente Argentina Tirana Kirchner, digo, Cristina Kirchner,  com direito a beijinhos  no rosto e tudo. Em sua última visita, sob comando da ‘presidanta’  Dilma, Francisco veio com muito gosto sem restrições alguma, nem observações, devo acrescentar. E o que dizer do herético presente do ditador boliviano Evo Morales? Aquela barbaridade comunista estampando um símbolo Sagrado para os Católicos.  Bergoglio recebeu sem o mínimo de ressalvas. Ninguém deve tê-lo lembrado dos milhões que as ditaduras comunistas aniquilaram.

Mais recentemente o Papa argentino manifestou todo seu apoio a Dilminha enquanto ela era processada pelo crime de responsabilidade que havia cometido. Francisco tem tempo mais que suficiente para dar aos líderes de esquerda, aos comunistas e ditadores. Mas recusa-se a ir visitar a Argentina do direitista Mauricio Macri. Recusa-se a visitar o brasil do Governo centralista Michel Temer. Será coincidência? Creio que não.

Bergoglio já foi de militância peronista em sua juventude na Argentina. O jesuíta não esconde sua tendência a esquerda. Mas uma coisa é você dar a atenção aos pobres. Uma coisa é você reconhecer a disparidade social. Uma coisa é você militar em prol do equilíbrio social e de melhor distribuição de renda. Porém, outra coisa bem diferente é flertar com os governos esquerdistas de índole mais duvidosa na América latina.

E como citado acima, estamos falando do maior país católico do mundo e devo dizer, por pouco tempo. Dos que se dizem Católicos, é claro que sua frequência às Igrejas é mínima. Há aqueles que vão tão somente em casamentos, batizados ou no próprio velório. E a migração para as igrejas evangélicas está aumentando dia a dia. Imagino que o líder Católico deve aos fiéis de facto, que estão ali presentes e colaborando nas paróquias, uma visita. Ele lhes deve por consideração e respeito. Se o próprio Papa não comparece para comemorar os 300 anos de aparição de uma das Santas mais queridas do Brasil, por simples posição política, o que dirá o valor que ele dá para outros pontos com os quais a esquerda milita…

Em resumo, se eu fosse Francisco, me atentava para a saúde espiritual de seus fiéis, não para quem é o Presidente. O Brasil (Estado) não precisa dos conselhos do Papa, haja visto que ele não consegue por ordem no Vaticano. Quanto mais num país de proporções continentais… Os brasileiros católicos sim, esses esperavam seu guia espiritual. Mas ele, ao que tudo indica, prefere a companhia dos de visão política semelhante.

Com informações de: Folha de S. Paulo, G1, Veja, Vaticano e Data Folha.

 

 

Karlos Souza

Nascido em Montes Claros/MG em Janeiro de 1987, morador de brasília desde 2004, estudou Letras e literatura, mas sua paixão sempre foi a tecnologia. Fazendo um pouco de tudo, Karlos estudou também teologia e aventurou-se em escatologia. Fora das ciências humanas, também tem como hobby o estudo de astronomia e cosmologia, além de história e ciência política. Mesmo com tantos aspectos aparentemente difusos, ele consegue encontrar harmonia no significado que dá a todos eles e as devidas ligações que constrói para desenvolver seus artigos com base nesses assuntos.Trabalha atualmente na área de atendimento ao cidadão e é editor do blog Celentor.com.